Dicas Para Amamentar

Hoje estamos a falar de amamentação! Enquanto eu me sento aqui a bombear (haha), deixa-me partilhar que a amamentação foi, de longe, a parte mais difícil das minhas semanas iniciais com um recém nascido. Li tanta literatura e vi centenas de videos sobre amamentação, ductos entupidos, descida do leite, ingurgitação, etc. e, embora eu tentasse manter uma atitude positiva, sentia-me abalada e assustada com receio que fosse tudo horrivelmente difícil. Preocupava-me que o meu bebé poderia não estar a receber leite suficiente e que eu não seria capaz de resolver todas as dificuldades que tinha pela frente. Percebo perfeitamente porque é que muitas mamãs desejam deixar de amamentar porque, em várias ocasiões, eu mesma estive tão perto de desistir, especialmente naqueles momentos em que a Zoe amamentava e me doía mesmo muito. Para adicionar à minha frustração, todos os consultores de lactação me disseram que tanto a pega como o posicionamento da Zoe no mamilo era excelente mas como continuava o desconforto, fez-me sentir que isto de dar o peito simplesmente não era para mim!

Mas decidi continuar. Fiz o compromisso de fazer todos os possíveis para amamentar a minha filha. Encarei-o como um desafio saudável. Considerei todos os recursos ao meu dispor para me ajudar a alcançar este objetivo. Então, aqui seguem algumas das minhas dicas – são as coisas que realmente fiz/usei/aprendi – para agora ser uma mamã feliz e livre de dores quando a Zoe amamenta!

1. Pede Ajuda e Apoio

Uma amiga minha deu-me este conselho antes que a Zoe nascesse. E ainda bem porque é muito importante. Eu antecipei que ia ser um processo de aprendizagem delicada e não queria correr o risco de “esperar” até algo correr mal. Assim que ela nasceu visitámos a nossa pediatra, que também é consultora de lactação, e vi-a duas vezes por semana durante 3 semanas. Sentia que cada vez que ia havia uma nova sensação e um novo obstáculo para enfrentar. Um dia dava tudo certo e outro a Zoe perdia a pega etc, o que me fazia sentir que estava de volta ao inicio. Foi difícil e chorei muito. Olhando para trás, talvez essas visitas não me tenham ajudado tanto fisicamente relativamente à amamentação mas serviram para acalmarem as minhas preocupações como, por exemplo, o ganho de peso da Zoe. Isso foi uma grande ajuda no início. Nas sessões com a consultora, amamentava a Zoe à frente da médica e ela mostrava-me várias posições diferentes (mais sobre isto abaixo) e assegurava-me que a minha filha estava a receber comida suficiente. Ela foi uma guia muito necessária durante as primeiras etapas de aprender a amamentar e é por isso que eu realmente acredito que ter ajuda profissional é essencial.

2. Experimenta Posições Diferentes

OK. Recentemente, a Zoe decidiu que não queria mais que eu estivesse sentada enquanto amamentava. Cada vez que me sentava, ela choramingava e mexia-se muito. Para a acalmar, levantei-me com ela nos braços e comecei a andar pela casa com ela pendurada no peito quase verticalmente. Com uma mão a apoiar o rabiosque e a outra nas costas e pescoço. E assim foi! A caminhada acalmou-a e a posição parecia agradá-la. Hoje em dia ainda tenho que passear enquanto ela come. A Zoe gosta de estar em movimento. Usa a tua intuição e vai estar tudo bem!

3. Usa um Protetor de Mamilo

Esta foi a minha salvação, a sério! Na terceira semana da amamentação, fartei-me tanto da dor e da frustração que não conseguia melhorar a situação que decidi comprar duas Nipple Shields da Medela (uma para casa e uma para a mochila de fraldas). Eu dou todo o crédito a estes mamilos fininhos e suaves de silicone – são a razão da alegria que me dá amamentar hoje em dia. Aparentemente não deveria usá-los mais de 5 dias seguidos, apenas até que os mamilos se curem, mas eu queria lá saber das regras. Este foi o meu último recurso antes de bombear exclusivamente e dar-lhe um biberon! Pensei que usar um mamilo de silicone fino para poder amamentar a Zoe era a única maneira de reduzir a dor enquanto lhe dava a melhor nutrição que pudesse, então era o que ia fazer. Usei o mamilo de forma consistente durante 3 semanas e digo-vos já, funcionou maravilhas. Comprei o tamanho mais pequeno (o que ainda era muito grande para o meu mamilo), mas eu realmente acredito que ajudou a Zoe a aprender a abrir a boca mais ainda para a pega. Mais tarde, por volta da semana 9, tive mastite (não relacionado com o mamilo de silicone – é porque fui estúpida e parei de bombear durante uma semana). Decidi abandonar o protetor para ver se a Zoe podia desbloquear diretamente o ducto entupido. Ela teve de volta do meu mamilo cerca de meia hora à procura do protetor porque se habituou, mas após um dia a mostrar-lhe e ensinar-lhe novamente onde estava o meu mamilo, ela voltou a abocanhar bem a mama. Houve uma pequena dor de início, mas desaparecia logo depois dela começar a puxar o leite bem. Ela nem precisou de ajuda depois disso. Sinceramente, não vale a pena sofrer! O protetor funcionou muito bem!

P.S. Atenção ao aplicar corretamente o protetor no mamilo (eu vi um vídeo no YouTube). Eu tenho várias amigas que me disseram que não ficava colado ao peito, mas era porque ninguém lhes ensinou que tem de se molhar o protetor primeiro com uma camada fininha de água ou então leite mamário para obter qualquer sucção!

4. Posição de Amamentação Deitada

Eu não posso dizer coisas suficientemente maravilhosas sobre o que foi descobrir esta técnica! 4 semanas pós-parto, estava desesperada por não ter que me sentar durante a noite para que a Zoe amamentasse. Não me incomodava acordar para alimentá-la, só queria era fazê-lo com mais conforto. Foi nessa altura que decidi aprender a amamentar deitada. Vi uns vídeos no YouTube e parecia relativamente fácil. A primeira tentativa não correu muito bem porque a Zoe ainda era muito pequenita (fisicamente) e não abocanhava tão bem. No entanto, depois de cerca de uma semana ou duas usando o protetor do mamilo, eu tentei novamente. Continuámos a praticar juntas até encontrarmos o nosso ritmo. Honestamente, mudou a minha vida poder descansar enquanto ela se alimentava. Coloca uma toalha debaixo, de modo que qualquer leite vazado não fique no lençol ou passe para o colchão. Atenção – muitas vezes usamos este método de amamentação durante a noite quando estamos no pico do cansaço – é extremamente importante certificar que há barreiras adequadas para que o babé não caia da cama e, se fizerem “co-sleep”, não se esqueçam de remover todas a almofadas, edredons ou qualquer outra coisa que possa pôr em perigo a vida do bebé.

5. Faz Pausas Durante a Amamentação

Esta dica é simples. Se o bebé continuar irrequieto, tenta fazer uma pequena pausa. Quando a Zoe começa assim eu costumo colocá-la no ginásio de jogos para que ela possa expulsar um pouco o excesso de energia que tem, dou-lhe um brinquedo, ando com ela pela casa ou então vai aos braços do papá! Às vezes os bebés precisam apenas de fazer um “reset” para começar de novo.

6. Relaxa


É importante relaxar, deixar fluir tudo e dar tempo ao tempo. Com paciência e prática tudo fica mais fácil ao longo das semanas. A Zoe tinha 2 meses de idade quando começou tudo a fluir bem com a amamentação… E lembra-te que se na verdade não está a funcionar, existe sempre as bombas para tirar o leite e alimentação em garrafas ou excelentes alimentos alternativos para bebés para tentar!

 

Share:

2 Comments

  1. jana25
    Agosto 23, 2017 / 7:30 pm

    Suuuuuuper helpful mama! xxxx

  2. heather_kolman2
    Agosto 25, 2017 / 9:07 pm

    Breastfeeding was really hard for me initially but it’s so worth it once you get the hang of it.. I went until my boy was well over a year old. I miss it! This post has some excellent tips.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *